Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo

Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo

Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o número de assassinatos de mulheres chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Apenas na última semana, foram registrados pelo menos cinco casos de mulheres assassinadas por seus companheiros ou ex-companheiros só em São Paulo. Dado alarmante que reflete a realidade do Brasil, país com a quinta maior taxa de feminicídio do mundo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de assassinatos chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres. O Mapa da Violência de 2015 aponta que, entre 1980 e 2013, 106.093 pessoas morreram por sua condição de ser mulher. As mulheres negras são ainda mais violentadas. Apenas entre 2003 e 2013, houve aumento de 54% no registro de mortes, passando de 1.864 para 2.875 nesse período. Muitas vezes, são os próprios familiares (50,3%) ou parceiros/ex-parceiros (33,2%) os que cometem os assassinatos.

Com a Lei 13.140, aprovada em 2015, o feminicídio passou a constar no Código Penal como circunstância qualificadora do crime de homicídio. A regra também incluiu os assassinatos motivados pela condição de gênero da vítima no rol dos crimes hediondos, o que aumenta a pena de um terço (1/3) até a metade da imputada ao autor do crime. Para definir a motivação, considera-se que o crime deve envolver violência doméstica e familiar e menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Para a promotora de Justiça e coordenadora do Grupo Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (GEVID) do Ministério Público do Estado de São Paulo, Silvia Chakian, a lei do feminicídio foi uma conquista e é um instrumento importante para dar visibilidade ao fenômeno social que é o assassinato de mulheres por circunstâncias de gênero. Antes desse reconhecimento, não havia sequer a coleta de dados que apontassem o número de mortes nesse contexto.

Apesar dessa importância, a promotora alerta que a lei é um ponto de partida, mas sozinha será capaz de acabar com crimes de feminicídio. “Como um problema bem complexo de causas sociais que estão relacionadas a aspectos da nossa sociedade – ainda tão patriarcal, machista e conservadora – não existe uma fórmula mágica, é necessário um conjunto integrado de ações”, defende.

Lei Maria da Penha

A implementação integral da Lei Maria da Penha é o primeiro ponto desse rol de medidas que devem ser tomadas pelo Estado. Reconhecida mundialmente como uma das melhores legislações que buscam atacar o problema e elemento importante para a desnaturalização da violência como parte das relações familiares e para o empoderamento das mulheres, a lei ainda carece de implementação, especialmente no que tange às ações de prevenção, como aquelas voltadas à educação, e à concretização de uma complexa rede de apoio às mulheres vítimas de violência, na avaliação da promotora Silvia Chakian.

“A gente não vai avançar na desconstrução de uma cultura de discriminação contra a mulher, que está arraigada na sociedade, nas instituições e em nós mesmas, sem trabalhar a dimensão da educação”, alerta.

De acordo com a promotora, a rede de atendimento, de atenção e de proteção às mulheres que vivenciam situações de violência pode ser definidora do rompimento desse ciclo, porque ela deveria fornecer apoio multidisciplinar, inclusive psicológico e financeiro, para que a mulher possa tomar a decisão de romper a relação abusiva e tenha condições de se manter fora dela.

“Onde não há delegacia especializada, centro de referência, casa abrigo e outras instituições de apoio, essa mulher vai sofrer calada, dentro de casa, sem conseguir buscar ajuda”, afirma. Como o fato extremo do assassinato é, em geral, uma continuidade de violências perpetradas antes, a existência desses mecanismos de auxílio pode interromper o ciclo de violações, antes que a morte ocorra. “Os feminicídios são tragédias anunciadas, por isso, essas são evitáveis”, alerta Chakian.

Outras formas de combater essa realidade dramática é aprimorar as condutas dos profissionais envolvidos nos processos de investigação e julgamento de crimes de feminicídio. Nesse sentido, em 2016 o governo brasileiro, o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e a ONU Mulheres publicaram as Diretrizes Nacionais para Investigar, Processar e Julgar com Perspectiva de Gênero as Mortes Violentas de Mulheres – Feminicídios.

O documento detalha, por exemplo, quando e como a perspectiva de gênero deve ser aplicada na investigação, processo e julgamento de mortes violentas de mulheres, além de formas de abordagem das vítimas e informações sobre os direitos delas. O documento destaca ainda ações que podem ser desenvolvidas pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário, de modo que a justiça incorpore a perspectiva de gênero em seu trabalho e para que sejam assegurados os direitos humanos das mulheres à justiça, à verdade e à memória.

Agência Brasil

Leia também




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade




Facebook

Publicidade

Enquetes

VOCÊ É A FAVOR DO PORTE DE ARMAS PARA QUALQUER PESSOA?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2018 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados

Venezuela não tem como pagar comida e culpa Trump

Venezuela não tem como pagar comida e culpa Trump

Venezuela não tem como pagar comida e culpa Trump

Na Venezuela, governistas acusam o presidente Donald Trump de bloqueio que impede compra de remédios e alimentação para a populaçãoMichael Reynolds/ EFE

Da Agência EFE

A presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) da Venezuela, a chavista Delcy Rodríguez, disse hoje (27) que seu país não tem como pagar alimentos e medicamentos após o decreto assinado na sexta-feira (25) pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Temos barcos na costa carregados com medicamentos e com alimentos, mas a Venezuela não tem como fazer o pagamento desses bens essenciais para a população venezuelana. Por que? Porque há um bloqueio financeiro contra o país”, disse Delcy em uma audiência da ANC realizada com a Comissão da Verdade.

A ex-chanceler venezuelana afirmou que, com o decreto, Trump “acaba de formalizar o bloqueio financeiro contra a Venezuela” para levar o país “a uma interrupção dos pagamentos internacionais a fim de intensificar a agressão econômica contra o povo venezuelano”.

Na última sexta-feira, Trump assinou uma ordem executiva na qual proíbe as “negociações em dívida nova e capital emitida pelo governo da Venezuela e a sua companhia petroleira estatal”, nas primeiras sanções ao sistema financeiro venezuelano.

Proibições do governo dos Estados Unidos

A medida, anunciada pela Casa Branca, proíbe também as “negociações com certos bônus existentes do setor público venezuelano, bem como pagamentos de dividendos ao governo da Venezuela”.

Delcy reiterou que o governo venezuelano prepara uma resposta “recíproca” para o “bloqueio financeiro” americano.

Há três anos, a Venezuela atravessa uma escassez de medicamentos e alimentos básicos, como a farinha de grão, de milho, azeite, açúcar, entre outros.

Além das restrições financeiras, os Estados Unidos também anunciaram sanções a funcionários venezuelanos em uma nova mostra de pressão sobre Caracas, após a instauração da Assembleia Constituinte, que o governo americano considera “ilegítima”.

Leia também




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade




Facebook

Publicidade

Enquetes

VOCÊ É A FAVOR DO PORTE DE ARMAS PARA QUALQUER PESSOA?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2018 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados

Chapada do Araripe e outras áreas de conservação recebem R$ 2,3 mi para conservação

Chapada do Araripe e outras áreas de conservação recebem R$ 2,3 mi para conservação

Chapada do Araripe e outras áreas de conservação recebem R$ 2,3 mi para conservação

Conteúdo do Diário do Nordeste

No mês de agosto, a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza apoiará financeiramente 17 novos projetos de conservação da natureza em todo o Brasil – que foram selecionados por meio de editais públicos lançados no início de 2017. No total, serão doados R$ 2,3 milhões para iniciativas a serem realizadas em todos os biomas brasileiros e nos ecossistemas costeiro e marinho. Nos estados da região Nordeste são três os projetos que receberão apoio financeiro e que, juntos, somam R$ 813 mil.

Nos estados do Ceará e de Pernambuco, o projeto da Aquasis “Aves e seus mananciais na Caatinga cearense: Conservação através de Planos de Ação Nacionais” prevê ampliar a área da Reserva Oásis Araripe, criada 2014 nas encostas da Chapada do Araripe com o objetivo de proteger uma das aves mais raras e ameaçadas do mundo, o soldadinho-do-araripe (Antilophia bokermanni). Também são objetivos do projeto realizar censo para monitorar esta e outras cinco aves da Caatinga, bem como produzir e plantar mudas para enriquecer o habitat desses animais com arbustos, já que as árvores locais possuem crescimento lento e não acompanham o desenvolvimento e reprodução das espécies.

Proposta pela Fundação Apolônio Sales de desenvolvimento da UFRPE, a iniciativa “Conservação e ecologia espacial de predadores marinhos vulneráveis numa área marinha protegida crescentemente ecoturística” atuará na defesa dos tubarões de Fernando de Noronha (PE).

O projeto está focado nos tubarões lixa e limão, que se reproduzem próximo à costa: o problema é que nesse período eles ficam expostos à presença de humanos pelo ecoturismo, o que inibe sua reprodução. Para garantir a sobrevivência dos tubarões, os pesquisadores buscam identificar as áreas e os períodos de sua reprodução e alimentação para embasar ações de proteção dos seus habitats essenciais.

O “Programa Nacional para a conservação dos peixes-bois-marinhos”, proposto pela Fundação Mamíferos Aquáticos, será implantado nos estados nordestinos da Bahia, Paraíba e Sergipe, e também no Pará. A iniciativa atuará no monitoramento de peixes-bois-marinhos (Trichechus manatus) reintroduzidos no ambiente aquático, mas que vêm enfrentando barreiras que limitam o processo de readaptação.

Para garantir um monitoramento eficiente, que auxilie as futuras ações em prol da conservação desses animais, o programa acompanhará os animais por meio de uma tecnologia satelital, desenvolvida no Brasil. Desde a colonização do Brasil, os peixes-bois-marinhos sofreram uma forte pressão de caça e, hoje, existem apenas cerca de 1 mil indivíduos do Nordeste brasileiro.

Inscrições para novos projetos estão abertas
A Fundação Grupo Boticário está com o edital aberto para apoiar novos projetos de conservação em 2018. As inscrições podem ser feitas até o dia 31 de agosto no site da instituição, com três opções de categorias: Apoio a Programas (para iniciativas em todo o Brasil que demandem mais tempo para aplicação), Biodiversidade no Paraná (para propostas a serem executadas na região paranaense) e Apoio a Projetos (para projetos que contribuam na conservação das áreas úmidas).

Para concorrer em qualquer uma das três categorias, é preciso que as propostas atendam a uma das quatro linhas temáticas de apoio, relacionadas a unidades de conservação (UCs), espécies ameaçadas, ambientes marinhos e políticas públicas (esta específica para “Apoio a Programas”).

26 anos de apoio
Em 26 anos de atuação 1.510 iniciativas e 501 instituições já foram apoiadas em todo o território brasileiro, o que fez a Fundação Grupo Boticário se firmar como uma das principais financiadoras de iniciativas de conservação da natureza no Brasil.

De acordo com a diretora executiva da instituição, Malu Nunes, ao apoiar projetos, a Fundação contribui para ampliar conhecimento sobre a biodiversidade brasileira e para promover a sua conservação. “Conservar espécies e ecossistemas é essencial à economia e à qualidade de vida humana, pois é essa biodiversidade que fornece os serviços ambientais essenciais à nossa sobrevivência, como a produção de água, regulação do clima e a manutenção da qualidade do ar e do solo”, ressalta.

Sobre a Fundação Grupo Boticário
A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza.

Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento.

Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.510 projetos de 501 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país.

Leia também




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade




Facebook

Publicidade

Enquetes

VOCÊ É A FAVOR DO PORTE DE ARMAS PARA QUALQUER PESSOA?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2018 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados

Palmeiras vira, goleia e mantém o São Paulo na zona de rebaixamento

Palmeiras vira, goleia e mantém o São Paulo na zona de rebaixamento

Palmeiras vira, goleia e mantém o São Paulo na zona de rebaixamento

O Palmeiras voltou a vencer no Campeonato Brasileiro, manteve a freguesia do São Paulo no Palestra Itália e triunfou sobre um rival regional pela primeira vez neste Brasileirão. Após sair atrás no placar com Marcos Guilherme, Willian anotou dois gols e virou o jogo, mas Hernanes igualou novamente o marcador no primeiro tempo. Na etapa final, Keno colocou o Alviverde na frente novamente e Hyoran definiu a emocionante vitória por 4 a 2.

Modificado, o campeão brasileiro abandonou o 4-3-3 e entrou em campo no 4-2-2-2. Com a torcida ressabiada e pouco participativa, o Palmeiras jogava bem e tinha Tchê Tchê, retomando o bom desempenho, e Willian, se movimentando entre as linhas adversárias, como principais destaques. As arquibancadas viam um time que lutava pelo G4.

O Tricolor, armado no 4-1-4-1, sofria com as investidas alviverdes pelo lado direito, em que Cueva deveria ajudar Edimar na marcação, problema corrigido apenas depois por Dorival Junior, que inverteu o lado do peruano. Com quase 65% de posse de bola, o Verdão dominava o rival e só poderia sofrer um gol em falha individual. Pois foi justamente o que ocorreu.

Bruno Henrique perdeu disputa com Cueva pelo alto, Luan ameaçou sair para abafar o passe de Lucas Pratto, mas manteve posição e levou uma bola nas costas, que acabou com Marcos Guilherme mandando para as redes. O silêncio tomou conta do Palestra Itália e apenas xingamentos eram ouvidos.

Esperando ver a equipe que havia marcado 12 gols e sofrido apenas um contra o São Paulo em sua Arena, a única lembrança de clássicos anteriores ocorreu quando Sidão cobrou tiro de meta errado nos pés de Willian, e a massa imediatamente gritou: “De cobertura!” Mas o palmeirense mandou para fora, ao lado da meta.

Foram necessários dois sustos para o estádio voltar a vibrar. Primeiro, Lucas Pratto levou joelhada de Hernanes, caiu desacordado em campo e foi retirado de ambulância, com aplauso dos palmeirenses. Depois, em nova falha defensiva do Palmeiras, Marcos Guilherme fez jogada individual e acertou o travessão.

Após seis minutos de paralisação para atendimento do argentino, Willian, o mais lúcido em campo, despertou novamente a torcida alviverde. Primeiro, dominou cruzamento de Michel Bastos, que Edimar não conseguiu cortar, e bateu cruzado para empatar. Três minutos depois, avançou pela esquerda, aplicou uma caneta em Jucilei e mandou no ângulo de Sidão para fazer o segundo. A torcida via novamente via o campeão brasileiro em campo.

No duelo dos Profetas entre Moisés e Hernanes, o palmeirense estava sumido, e o são paulino, candidato óbvio a brilhar, marcou seu quarto gol consecutivo em partidas fora de casa. Em falha de Jean, o camisa 10 tricolor dominou no peito o cruzamento de Buffarini e bateu no cantinho de Prass.

Na etapa final, os visitantes mantiveram a postura de contra-ataque, mas não conseguiram ter sucesso. Já os mandantes abdicaram dos quatro homens no meio-campo e retomaram o 4-3-3, com a entrada de Keno na vaga de Bruno Henrique. A alteração mostrou resultado, e o atacante anotou um golaço para virar o marcador. Por fim, Hyoran ainda definiu a goleada alviverde. E foi assim que o Palestra Itália reviveu 2016, com uma vitória marcante sobre um rival, e a festa restabelecida nas arquibancadas.

O JOGO

Apoiado no discurso de que ainda está em busca da formação ideal para o Palmeiras, Cuca resolveu inovar no clássico e mandou o time a campo no 4-4-2, com Bruno Henrique e Tchê Tchê dando suporte à zaga e Willian com mais liberdade para encostar em Deyverson. Pelo lado tricolor, nenhuma novidade. Dorival voltou a apostar no 4-1-4-1 e com uma postura de cadência e disciplina tática.

Mas, não precisaram muitos minutos para o Verdão perder uma deficiência grave dos rivais. Cueva, aberto pela esquerda, não dava o suporte necessário a Edimar. O Palmeiras, então, investiu por ali e colocou o São Paulo em apuros pelo menos três vezes.

E quando a torcida da casa começa a se animar de verdade, veio a surpresa. Bruno Henrique, de 1,80m, perdeu no alto para Cueva, que mede 1,69m. Lucas Pratto recebeu e colocou Marcos Guilherme na cara de Fernando Prass. O meia tricolor deixou Michel Bastos para trás e abriu o placar.

O gol dos visitantes abalou o Palestra, que silenciou por alguns minutos e só voltou a ser ouvindo diante das reclamações com os erros de passe da equipe alviverde. A essa altura, Cueva e Marcos Guilherme já haviam trocado de lado para acabar com a farra palmeirense em cima de Edimar.

Tudo corria bem até os 21 minutos, quando Lucas Pratto deu um susto daqueles em todos que acompanhavam o clássico. Em um lance rotineiro, o argentino apareceu na defesa para ajudar na marcação, mas acabou levando uma joelhada do companheiro Hernanes. O argentino ficou desacordado e, desesperados, os jogadores suplicaram pela ambulância. Em cerca de seis minutos, Pratto já estava a caminho do hospital, consciente, para uma tranquilidade maior de todos.

Quem imaginou que a paralisação pudesse esfriar o jogo em campo se enganou. Assim que a bola voltou a rolar, o São Paulo teve uma grande oportunidade de ampliar a vantagem de novo com Marcos Guilherme, que acertou o travessão e viu a bola quicar fora do gol.

O Palmeiras parecia abatido e desencontrado quando Michel Bastos, aos 35, cruzou para a área. Edimar falhou e Willian não perdoou. Bastou para o Verdão acordar. Três minutos depois, em nova jogada de Willian, dessa vez toda ela individual, o Palmeiras virou em grande estilo. O atacante palmeirense acertou o ângulo e Sidão e finalização de fora da área.

O Choque-Rei estava imprevisível. Nos acréscimos da primeira etapa, dessa vez era o Palmeiras que parecia senhor do jogo quando o rival foi lá e aprontou. Buffarini alçou bola na área, Jean fez a vez de Edimar e falhou. Hernanes dominou e estufou as redes, levando o clássico para o intervalo com o 2 a 2 no placar.

Com um segundo tempo, truncado, de poucas oportunidades, Dorival resolveu sacar Cueva para colocar o jovem Lucas Fernandes. Cuca respondeu com Keno na vaga de Bruno Henrique e mandou o Palmeiras para frente, agora no 4-3-3.

O panorama, no entanto, pouco mudou. O excesso de erros de passe minava as chances das duas equipes. Sidão ainda assustou os são-paulino ao furar bisonhamente uma bola recuada, mas se redimiu ao evitar o gol de Deyverson com uma defesa espetacular.

Na melhor chance do São Paulo em toda a etapa final, Rodrigo Caio acabou sendo o vilão. O zagueiro ficou livre, dentro da pequena área e também furou de forma incrível. De joelhos, desacreditado, o defensor chegou a olhar para o bandeira, que deu condição legal no lance.

Cuca ainda colocou Hyoran no lugar de Guerra, mas o clássico perdeu parte de sua organização. Palmeiras e São Paulo passaram a se contra-atacar seguidamente e o jogo ficou imprevisível.

Nesse ritmo, o São Paulo pagou caro por um erro de escolha de Marcos Guilherme, que carregou a bola com duas opções de passe contra apenas dois defensores palmeirenses. O meia acabou nem finalizando nem tocando a bola. Em resposta, o Verdão acionou Deyverson na esquerda. O centroavante viu Keno livre na meia-lua, serviu. Sem dominar, o ex-jogador do Santa Cruz bateu firme, sem chance para Sidão.

Pronto para colocar Roger Guedes em campo, Cuca imediatamente mudou sua alteração. Thiago Santos entrou no lugar de Deyverson. Dorival apostou em Denilson na vaga de Marcos Guilherme.

O fim do Choque-Rei foi dramático, com todos no estádio em pé. O alívio para a torcida local só veio nos acréscimos, quando Tchê Tchê lançou Willian nas costas da zaga tricolor. O atacante só teve o trabalho de cruzar para Hyoran, que livre, mandou para o fundo do gol e transformou a vitória em goleada.

Depois de três rodadas, o Palmeiras voltou a vencer e, de quebra, ainda manteve o tabu de não perder para o rival do Morumbi no Allianz Parque. Já o Tricolor terá de amargar mais uma rodada na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 4 X 2 SÃO PAULO

Local: Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP)

Data: 27 de agosto de 2017, domingo

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC-Fifa)

Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Van Gasse (ambos de SP-Fifa)

Cartões amarelos: SÃO PAULO: Edimar, Arboleda

Público: 33.537 torcedores

Renda: R$ 2.195.368,53

GOLS:

PALMEIRAS: Willian, aos 35 e 38 minutos do 1T. Keno, aos 33, e Hyoran, aos 45 minutos do 2T.

SÃO PAULO: Marcos Guilherme, aos 12, e Hernanes, aos 51 minutos do 1T.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Luan e Michel Bastos; Tchê Tchê, Bruno Henrique (Keno), Moisés e Guerra (Hyoran); Willian e Deyverson (Thiago Santos)

Técnico: Cuca

SÃO PAULO: Sidão; Buffarini, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros; Marcos Guilherme (Denilson), Jucilei, Hernanes e Cueva (Lucas Fernandes); Lucas Pratto (Gilberto)

Técnico: Dorival Júnior

Leia também




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade




Facebook

Publicidade

Enquetes

VOCÊ É A FAVOR DO PORTE DE ARMAS PARA QUALQUER PESSOA?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2018 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados

Entregador de pizzas é encontrado morto com sete facadas e aposentada assassinada com perfuração a faca no pescoço no Barro Branco, em Crato

Entregador de pizzas é encontrado morto com sete facadas e aposentada assassinada com perfuração a faca no pescoço no Barro Branco, em Crato

Entregador de pizzas é encontrado morto com sete facadas e aposentada assassinada com perfuração a faca no pescoço no Barro Branco, em Crato

DA AGÊNCIA CARIRICEARA
Jota Lopes – Fotos: Caririceara

Dois crimes de morte por arma branca foram registrados pela polícia do Crato na noite deste sábado, dia 26 num intervalo de vinte minutos. Por volta das 20h10min na Rua Germano de Alencar, próximo a água Cambará, no bairro Barro Branco, o entregador de pizzas Paulo Roberto da Silva Roque, 24 anos, que residia na Rodovia Pinto Madeira, 399, Vila Lobo, foi localizado por populares que avisaram a polícia, caído ao solo lesionado a golpes de faca ao lado de uma motocicleta modelo CG de cor vermelha e placa KIM-0025, uma bolsa térmica com uma maquineta de crédito, um capacete e documentos pessoais.

A patrulha do policiamento ostensivo geral, sargento Luismar, cabo Roberto e soldado Ismael compareceu ao local do achado de cadáver e acionou o Samu, mas os profissionais de saúde ao chegarem apenas atestaram a morte do jovem. Segundo os militares que atenderam a ocorrência, a equipe médica afirmou que o corpo já apresentava estado de rigidez cadavérica, o que indicaria que o homicídio teria ocorrido há no mínimo 06h(seis horas). A perícia forense foi solicitada para fazer o traslado do corpo para necropsia e ao realizar os exames preliminares constatou que Paulo Roberto foi assassinado com sete perfurações a faca, sendo no tórax e abdômen.

O site Caririceara apurou junto a CIOPS Crato que a vítima já respondia a inquérito policia por  uma lesão corporal dolosa e uma contravenção penal. Os pertences da mesma encontrados no local do ocorrido foram apreendidos pela guarnição militar e apresentado à autoridade policial competente na 19ª Delegacia de Polícia Civil do Crato. A motivação para o crime, bem como a autoria ainda são desconhecidas, diz a polícia.

Vinte minutos depois a aposentada, Maria Eliana da Silva Sousa, 41 anos, que residia na Moacir Gondim Lóssio, 502, bairro São Jose, morreu logo após ter dado entrada no setor de emergência do Hospital São Camilo lesionada a faca no pescoço. De acordo com a policia militar, uma testemunha ocular do crime informou que a ação criminosa teve a autoria de uma mulher nome Fátima que trabalha como cabeleireira residente na Rua Karolé, 369, Bairro Muriti.

Ainda segundo o relato da testemunha a policia, Maria Eliana e Fátima teriam se envolvido numa discussão em frente a churrascaria recanto do sabor, e que a mesma  (testemunha) adentrou ao estabelecimento e saiu minutos depois, vindo a se deparar com a vítima sangrando e a perguntou o que aconteceu,  sendo informada que a acusada tinha cometido o crime e fugido para lugar ignorado. A testemunha acrescentou que ao ver Maria Eliana ferida, solicitou a um filho seu que socorresse a lesionada ao hospital aonde a mesma ainda chegou com vida mais faleceu minutos depois. Diante das informações os militares iniciaram diligencias indo de principio a residência da acusada, porém a mesma não foi localizada.

O corpo de Maria Eliana igualmente ao  de Paulo Roberto também encaminhado ao Núcleo de Ciências Forense (Antigo Instituto Médico Legal-IML) regional do cariri, em Juazeiro do Norte para ser submetido a exame cadavérico. Com o registro desses dois homicídios, sobe para quatro o número de pessoas assassinadas neste mês de agosto, em Crato e para 37 em 2017 no município.

©Todos direitos reservados a Caririceara.com. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível de ação judicial com base na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998 dos Direitos Autorais.

Leia também




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade




Facebook

Publicidade

Enquetes

VOCÊ É A FAVOR DO PORTE DE ARMAS PARA QUALQUER PESSOA?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2018 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados