Câmara de Barbalha muda regras para eleição da Mesa

Treze dos 15 vereadores de Barbalha aprovaram mudanças no Regimento Interno da Câmara Municipal. Apenas o vereador Rildo Teles (PSL) absteve-se do voto e criticou uma das alterações, enquanto Everton Siqueira (PP) não vota pelo fato de ocupar o cargo de presidente. As alterações dizem respeito à eleição da Mesa Diretora. Segundo parlamentares que formam o bloco de oposição e propuseram o novo formato, as medidas servem para dar maior transparência a escolha
dos cargos.

Os cargos permanecem:

presidente, vice, primeiro e segundo secretários. As mudanças residem no registro de candidaturas, que podem ser individuais ou coletivas. Os postulantes devem manifestar o desejo em até 48h antes da eleição, que este ano ocorrerá em 20 de dezembro. A modificação é apontada pelo presidente da Câmara como a principal medida tomada. “No dia da eleição, qualquer um poderia ser votado, mesmo sem ter o desejo de disputar o cargo”, conta.

Vereador Daniel de Sá Barreto (PT), para tomarem a iniciativa, os vereadores consultaram Poderes Legislativos de outras cidades caririenses, principalmente Juazeiro do Norte e Crato, que junto à Barbalha integram o Triângulo Crajubar. “Observando quase todas as outras Câmaras [do Cariri], vimos que só em Barbalha era diferente, onde todos os 15 candidatos na hora da eleição poderiam ser votados e percebemos que não era correto”, diz.

Na visão do presidente da Câmara de Barbalha, Everton Siqueira (PP), as alterações servem para dar maior transparência à eleição da Mesa Diretora. Conforme o parlamentar, os processos eleitorais, desde a eleição em uma associação até a escolha do presidente da  república, prevêem registros de candidatura – o que antes não é contemplado no Regimento
Interno da Câmara.

Críticas

Único parlamentar contrário às mudanças, Rildo Teles (PSL) comparou a iniciativa aos regimes ditatoriais. Rildo fundamenta a crítica com base no processo de votação que não é secreto. “A minha posição é contrária ao voto secreto. Entendo que o voto deve ser aberto. Nós já ultrapassamos os limites da Ditadura com história de votos secretos nas Câmaras e Assembleias [Legislativas] e do Congresso Nacional. Uma das únicas que ainda mantém isso é a Câmara Municipal de Barbalha. “Mesmo que eu quisesse, não ia conseguir fazer qualquer tipo de mudança porque a oposição tem maioria”, justifica o parlamentar

*Conteúdo Jornal do cariri