Campanha de vacinação imunizará crianças de 1 a menor de 5 anos contra  poliomielite e sarampo

Ceará deverá vacinar 95% das 509.183 crianças na faixa etária entre 12 meses e 4 anos, 11 meses e 29 dias. Foto Divulgação

Acontecerá de 6 a 31 de agosto em todo o país a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e contra o Sarampo, para vacinar crianças de um a menor de cinco anos de idade, no posto de saúde mais próximo de suas residências. O objetivo da campanha é manter o estado de eliminação da  Poliomielite e do sarampo no país, com elevada cobertura vacinal contra a poliomielite nos municípios, para evitar a reintrodução do vírus selvagem, e também a vacinação dos menores de cinco anos de idade contra o sarampo e a rubéola. A meta é vacinar, no mínimo, 95% de todas as crianças na faixa etária entre 12 meses e 4 anos, 11 meses e 29 dias, de forma homogênea, para evitar a manutenção ou formação de bolsões de não vacinados. No Ceará, a meta é imunizar 95% das 509.183 crianças de um a quatro anos ou o mínimo de 483.724 crianças. O dia de mobilização nacional será no sábado, 18 de agosto.

POPULAÇÃO ALVO

META

100%

95%

1 ANO

126.085

119.781

2 ANOS

128.466

122.043

3 ANOS

126.885

120.541

4 ANOS

127.747

121.360

TOTAL

509.183

483.724

                 Fonte: DataSUS – CGPNI/DEVIT/SVS-MS em 02/02/2018.

As campanhas de vacinação contra poliomielite foram iniciadas no Brasil em 1980, estando o país livre da doença desde 1990. Campanhas de vacinação contra o sarampo são realizadas desde 1995. Na campanha deste ano, pais e responsáveis são atores sociais importantes no processo de manutenção da eliminação dessas doenças e devem comparecer aos serviços de vacinação com suas as crianças, levando a caderneta de vacinação para avaliação e registro. A poliomielite e o sarampo são doenças de notificação compulsória e o país tem compromissos internacionais para erradicar e eliminar essas doenças.

O último caso de poliomielite no Brasil ocorreu em 1989 e desde 1990 não são registrados casos da doença, que é grave e foi responsável por danos irreversíveis para milhares de crianças no mundo. As ações de prevenção e controle, em especial a vacinação, contribuíram para que, em 1994, o país recebesse da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) a Certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território. Casos de sarampo têm sido reportados em várias partes do mundo e segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), muitos países permanecem endêmicos para o sarampo, principalmente aqueles com baixa cobertura vacinal e bolsões de não vacinados.

VACINA

Série Histórica – Coberturas Vacinais (%) na rotina – Ceará, 2007 – 2017

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

Tríplice Viral

107,88

103,02

105,67

103,91

110,92

97,61

115,15

140,69

110,83

119,76

119,47

Poliomielite

108,98

105,37

105,70

101,03

100,00

97,79

104,79

103,92

113,92

107,89

104,96

Fonte: Tabnet.DataSUS – Acesso em: 23 de julho de 2018

Nos últimos anos foram vivenciados surtos de sarampo no país. Em 2015 foram registrados 211 casos da doença no Ceará, dois em São Paulo e um em Roraima, relacionado ao surto do Ceará. Como resultado das ações vigilância, laboratório e imunizações, em 2016, o Brasil recebeu o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo pela OMS, declarando a região das Américas livre do sarampo. No período de 2016 a 2017, não foi registrado nenhum caso da doença no país. Atualmente, o Brasil enfrenta surtos de sarampo em Roraima e no Amazonas, com registro de 314 casos confirmados até semana epidemiológica 23. Os casos estão relacionados ao intenso movimento migratório da Venezuela, país que enfrenta surto de sarampo desde julho de 2017.

O quadro epidemiológico reforça a necessidade da realização da campanha de vacinação contra a poliomielite e contra o sarampo, a fim de captar crianças ainda não vacinadas ou que não obtiveram resposta imunológica satisfatória à vacinação, e assim minimizar o risco de adoecimento dessas crianças e, consequentemente, reduzir ou eliminar os bolsões de não vacinados. As coberturas vacinais municipais ainda são heterogêneas no Brasil, podendo levar à formação de bolsões de pessoas não vacinadas, possibilitando, assim, a reintrodução dos poliovírus e do sarampo.

Serviço:
Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo
Período: 6 a 31 de agosto de 2018
Dia D: 18 de agosto

Assessoria de Comunicação da Secretaria da Saúde do Ceará