Número de lares chefiados por mulheres no Ceará cresce de 37,5% para 47,1% de 2012 para 2018

quase-40-dos-lares-paraenses-sao-chefiados-por-mulheres-696x348 FOTO DIVULGAÇÃO INTERNET

A proporção de lares chefiados por mulheres no Ceará saltou de 37,5% em 2012 para 47,1% em 2018. No entanto, esse crescimento não está diretamente relacionado a não presença de cônjuge masculino no domicílio, já que o percentual de lares chefiados por mulheres com cônjuge masculino vivendo sob o mesmo teto cresceu de 33,4% para 41,5% no mesmo período. Esses e muitos outros dados estão no Ipece Informe (nº 155 – Agosto/2019) – Análise da participação feminina na composição familiar e no mercado de trabalho cearense no período 2012/2018, trabalho que acaba de ser publicado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gstão (Seplag) do Governo do Estado do Ceará.

Proporção dos domicílios chefiados por mulheres – Ceará – 2012-2018

Proporção de domicílios chefiados por mulheres com a presença do cônjuge (masculino) – Ceará – 2012-2018

Fonte: PNAD-Contínua Anual, consolidada para 1ª visita. Elaboração: Ipece

O estudo, elaborado pela assessora Técnica Luciana Rodrigues, da Diretoria de Estudos Sociais (Disoc) do Instituto, observa que, embora não esteja claro quais são os critérios adotados para que uma pessoa seja nomeada como a pessoa de referência do domicilio, “a ampliação de domicílios em que as mulheres são indicadas como a responsável pela família parece evidenciar mudanças no padrão de comportamento social, ou seja, o rompimento dos modelos tradicionais, nos quais o homem, como principal provedor de renda, é considerado o chefe do domicilio”. O trabalho foi elaborado tendo como base dados da Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar Contínua (Pnadc), realizada pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com autora do estudo, algumas considerações podem ser feitas para tentar explicar as mudanças, como, por um exemplo, um entendimento melhor das responsabilidades do domicílio, que não estejam diretamente relacionadas ao sustento familiar ou financeiro, mas o auto reconhecimento das mulheres como responsáveis fundamentais pelas decisões, criação e educação dos filhos e do equilíbrio familiar. Isso só é possível com o crescimento da importância socioeconômica do papel da mulher na sociedade e, sobretudo, no contexto familiar. Grande parte dessa mudança aconteceu a partir da ampliação da autonomia feminina que passou a assumir funções não só no lar, mas passaram a dividir com os homens o sustento da casa e a criação dos filhos.

Já com relação a presença das mulheres no mercado de trabalho, o trabalho mostra que elas ainda são minoria. No 4º trimestre de 2018, a taxa de participação da população masculina de 14 anos ou mais de idade na força de trabalho foi de 60,6%, enquanto que a taxa de participação feminina ficou em 41,0%. Ao analisar o rendimento médio real do trabalho principal da população de 14 anos ou mais de idade ocupada por sexo, é possível verificar que o rendimento médio dos homens é relativamente superior ao das mulheres. No 4ª trimestre de 2018, o rendimento médio dos homens era de R$ 1.627 e das mulheres R$ 1.279, ou seja, as mulheres recebiam, em média, 79% do rendimento dos homens.

A diferença entre salários, segundo Luciana Rodrigues, a diferença aumenta ainda mais quanto controlado por nível de escolaridade. A razão de rendimento médio das mulheres em relação aos homens de 25 a 49 anos de idade – Sem instrução e Fundamental incompleto – era de 67,7% do rendimento médio dos homens com o mesmo nível de escolaridade. Enquanto que as mulheres com Ensino Superior completo ganhavam apenas 64,5% do salário médio. Outro ponto destacado no trabalho diz respeito a educação. Apesar de ganharem menos que os homens, as mulheres permanecem mais tempo buscando qualificação educacional. Com base na escolaridade média da população de 15 anos ou mais de idade por sexo, as mulheres tinham aproximadamente um ano a mais que os homens, em 2018.

Clique aqui e acesse o Enfoque Econômico Nº 209 – Projeções populacionais: Análise comparativa do Ceará com o Brasil no período 2019 a 2060.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade




Facebook

Publicidade

© Copyright 2019 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados