Trotes telefônicos atrapalham serviços de emergência no cariri

dezembro 5, 2017 23:540 comentários

DA AGÊNCIA CARIRICEARA
Redação – Foto: Ilustração

Uma ‘brincadeira’ criminosa coloca em risco o patrimônio e a vida da população. Em Juazeiro do Norte, o serviço de emergência da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) registra em média 48 mil chamadas de emergência mensais. Desse total, 10% das ligações são trotes, disse a supervisora de atendimento do órgão Carolina Guarnieri.

Ocupar uma linha de emergência, impossibilitando o socorro de alguém que realmente precisa de ajuda, é apenas um dos prejuízos causados pelo trote aos números de emergência da Segurança Pública. “No momento em que ocorre um trote, um ramal fica ocupado, impossibilitando ajudar realmente quem precisa”,

Os prejuízos vão muito além disso, as chamadas indevidas geram um “efeito dominó” em todo o sistema de emergência. “Quando não conseguimos identificar que a pessoa está passando um trote, e a ocorrência é despachada para as nossas equipes, empenhamos uma viatura que não precisava ser empenhada, colocamos em risco uma guarnição de serviço, além de gerar custo ao Estado”, afirmou a supervisora.

Falsos solicitantes

O trote aos serviços de emergência é um crime previsto no Código Penal. Quando identificado, o autor é enquadrado no artigo nº 340 do Código Penal: falsa comunicação de crime ou de contravenção, cuja pena é detenção de um a seis meses ou multa.

Nos registros da Ciops, muitas crianças estão entre os autores das falsas chamadas. Entre os “conteúdos” mais comuns, estão canções, palavrões e relatos inverídicos sobre algum tipo de violência sofrida. “As crianças geralmente se valem dos horários de chegada e saída da escola para fazer as falsas ligações”, declarou Carolina Guarnieri.

Mas não são apenas as crianças que costumam ligar para a Ciops para passar trotes. Os adultos também estão entre os autores.

Triagem

Devido à proporção do problema, os atendentes da Ciops receberam capacitação para identificar os sinais de falsas ocorrências ao primeiro contato. Embora não consiga bloquear todas as ligações indevidas, a triagem ajuda a amenizar os prejuízos.

Segundo a coordenadora, não existe fórmula para identificar uma chamada falsa. “Fazemos uma sequência de perguntas no início da conversa para nos certificar que a chamada é verdadeira e também para fechar o lançamento das ocorrências”.

Atendimentos

A Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) é responsável pelo recebimento das chamadas emergenciais da Polícia Militar (190) e Corpo de Bombeiros (193), e disque denúncia da Polícia Judiciária Civil (197).

Tags:

Deixe um comentário