Anvisa repudia Bolsonaro, que pediu nomes de quem aprovou a vacina infantil

Sede da Anvisa, em Brasília Foto: Divulgação
Sede da Anvisa, em Brasília Foto: Divulgação

Agência emitiu nota alegando que agência está no ‘foco e no alvo do ativismo político violento’ de ativistas antivacina

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou uma nota nesta 6ªfeira em seu site repudiando o que chama de ‘ameaças’ feitas pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, durante a transmissão de uma live nas redes sociais.

Bolsonaro cobrou publicamente a divulgação dos nomes dos servidores públicos que aprovaram a aplicação da vacina da Pfizer contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos.

“A Anvisa está sempre pronta a atender demandas por informações, mas repudia e repele com veemência qualquer ameaça, explicita ou velada que venha constranger, intimidar ou comprometer o livre exercício das atividades regulatórias e o sustento de nossas vidas e famílias: o nosso trabalho, que é proteger a saúde do cidadão”, explica trecho da declaração.

Além disso, a agência declarou que seu ‘ambiente de trabalho é isento de pressões internas e avesso a pressões externas’ e que o trabalho é pautado na ciência e que oferece ao Ministério da Saúde, o Gestor do Plano Nacional de Imunização – PNI, opções seguras, eficazes e de qualidade sobre a análise vacinal.

A nota ressalta que a Anvisa ‘se encontra no foco e no alvo do ativismo político violento’, por sofrer ameaças de morte por parte de agentes antivacina.

“A Anvisa é líder de transparência em atos administrativos e todas as suas resoluções estão direta ou indiretamente atreladas ao nome de todos os nossos servidores, de um modo ou de outro”, finaliza a instituição.

*SBT News 

Leia também



600x600px_Banner_02.04_PMB_2022

Enquete