Arnon ameaça desistir de empréstimo de R$ 400 mi

JOSÉ ARNON - Foto Divulgação internet

Foto: Divulgação

A tensão entre a Câmara de Vereadores e a Prefeitura de Juazeiro do Norte, no caso da concessão da Cagece, tem colocado em xeque outras pautas de interesse do Município.

O prefeito Arnon Bezerra (PTB) aponta para a desistência do pedido de empréstimo de 100 milhões de dólares, cerca de R$ 400 milhões na moeda brasileira, prometidos pelo secretário
de Finanças, Evaldo Soares.

O projeto foi anunciado como parte de um investimento global de R$ 554 milhões, com contrapartida de 20 milhões de dólares, ou cerca de R$ 100 milhões, para investimentos no Município. O recurso tem a frente o Governo Federal, que pleiteia U$ 1,2 bilhão de dólares
para melhorar a infraestrutura de municípios, junto à CAN (Comunidade Andina).

Em entrevista ao Jornal do Cariri (JC), em junho deste ano, Evaldo disse que o projeto estava em fase de aprovação na Corporação Andina de Fomento (CAF), em Brasília, e logo passaria
pela Câmara. A outra parte dos investimentos seria aportada na construção do Teleférico e na transformação do Estádio Romeirão em Arena. Já assumidos pelo Governo do Estado.

Na Câmara, os vereadores garantem que, até agora, o pedido para o empréstimo não foi protocolado. O líder da oposição, vereador Glêdson Bezerra (PMN), acredita que o projeto não virá a Câmara. Ele avalia que a gestão resolveu investir na aprovação do projeto de concessão da Cagece (Companhia de Águas e Esgotos do Ceará), que teria a mesma finalidade.

O esforço para a aprovação da concessão para a Cagece tem desgastado ainda mais a relação entre os poderes. O presidente da Câmara, vereador Darlan Lobo (MDB), disse que o projeto
não beneficia o povo de Juazeiro e já marcou, para esta quarta-feira (25), uma audiência pública para debater o assunto com a população.

Darlan chegou a pedir o cancelamento do atual contrato de concessão, que tem validade até 2033. Ele disse que, em caso de cancelamento, com o Município assumindo os serviços, em
menos de seis meses estará com os R$ 400 milhões na conta, sem a necessidade de empréstimo.

O vereador Tarso Magno (PRP) questionou o interesse do prefeito Arnon, em conceder mais 30 anos a Cagece. O vereador chamou a atenção para o montante arrecadado pela empresa. Com informações da própria Cagece, Tarso pegou a arrecadação de R$ 5 milhões por mês e
calculou algo em torno de R$ 58 milhões ao ano e R$ 1,8 bilhões nos 30 anos.

Tarso deixou a entender que a sociedade não sabe para onde vai tanto dinheiro, já que a empresa não faz prestação de contas públicas. Na última concessão, autorizada pela Câmara a
pedido da Prefeitura, em 2003, houve denúncias de recebimento de propina por parte dos vereadores e do então prefeito Carlos Cruz. Mas, as acusações não foram comprovadas.

Darlan lembrou que o projeto de 2003 tinha oito folhas de compromissos que nunca foram cumpridos. O atual tem apenas duas folhas.

*Conteúdo do Jornal do Cariri

Leia também



PATOM

Enquete