Audiência pública em Iguatu sensibiliza sobre a questão dos resíduos sólidos

Iguatu-3-1200x900

Nesta sexta (20), pela manhã, no campus da Universidade Integrada do Ceará (Unific), em Iguatu, a Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa realiza audiência para debater as “Políticas Públicas de Gestão de Resíduos Sólidos e Consórcios Públicos”, em parceria com a Associação das Gestões Ambientais Locais do Estado do Ceará (AGACE), Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA) e Consórcio Regional de Resíduos do Alto Jaguaribe (Corraj). Essa foi a quarta de uma sequência de 11 audiências públicas que ocorrerão em vários municípios do Estado.

Dentre as autoridades presentes, Ednaldo Lavor, Prefeito de Iguatu; Wylna Cavalcante, Prefeita de Saboeiro; Monalisa Sales, superintendente da Consórcio Regional de Resíduos do Alto Jaguaribe (Corraj); Elano Damasceno, presidente da Associação das Gestões Ambientais Locais do Estado do Ceará (AGACE); Angélica Leite, da SEMA; Sandra Belchior e Ivo Lavor, da Unific; além de superintendentes de consórcios de resíduos sólidos, secretários de Meio Ambiente e vereadores da região Centro Sul. Os Agentes Jovens Ambientais (AJAs) de Iguatu também estavam na atividade.

O proponente do evento, deputado estadual Acrísio Sena (PT), é presidente da Frente Parlamentar pelos Consórcios Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, explicou que a ideia é sensibilizar a sociedade e as autoridades municipais sobre a importância da necessidade da reciclagem dos resíduos sólidos. “O Ceará possui cerca de 300 lixões que precisam ser desativados. Acredito que a melhor de fazê-lo é aprofundar o caminho da criação de consórcios públicos para que os municípios tenham efetividade em sua política de reciclagem e instalem seus aterros sanitários. O Brasil produz 82 milhões de resíduos sólidos por ano e recicla muito pouco”, afirmou Acrísio.

Angélica Leite fez um relato das ações da SEMA na área de resíduos sólidos, chamando atenção para a criação dos consórcios – que atingem hoje 169 municípios-, a criação do programa Auxílio Catador, e dos Planos de Coletas Seletivas Múltiplas que já atendem a todos os municípios do Ceará. “Firmar uma aliança das instituições e a sociedade civil para cuidarmos uns dos outros é importante para preservarmos o meio ambiente”, afirmou.

*SEMA-CE

Leia também



PATOM

Enquete