Deborah Secco, 40 anos: “Tenho mérito de tentar aprender com os erros”

Deborah Secco é a Capa da Semana da Quem (Foto: André Nicolau/ Ed. Globo). A atriz falou sobre o novo trabalho na televisão, na novela Salve-se Quem Puder, a rotina com Hugo Moura e filha, Maria Flor, e a trajetória até o melhor momento de sua vida

São oito horas da manhã de um domingo ensolarado e Deborah Secco, de 40 anos, se prepara no quarto do hotel para as fotos desta capa. Fotografar tão cedo em seu dia de folga foi o jeito que a atriz encontrou para conseguir pegar um voo para o Rio de Janeiro logo após o almoço e poder curtir o resto do fim de semana com a filha, Maria Flor, de 4, e o marido, Hugo Moura, de 29.

Nos minutos que tem para almoçar, a carioca recebe um roteiro em seu celular e se fecha no quarto para decorar dezenas de cenas de Alexia, uma das protagonistas da nova novela das 7, Salve-se Quem Puder. Deborah sai do quarto empolgada por estar com o texto de cor e atende ao pedido para fazer uma das cenas de sua personagem, divertindo a equipe.

“Minha vida é perfeita! Meus maiores prazeres na vida são comer, dormir, ficar em casa com a Maria e o Hugo e trabalhar. Amo trabalhar. Outro dia a Maria falou: ‘Mamãe, não vai trabalhar, fica comigo’. Eu respondi que a mamãe ia porque amava aquilo e se divertia com aquilo como quando ela ia para o parquinho. Não relaciono trabalho a dinheiro. Relaciono trabalho à diversão. O Hugo fala que quando estou trabalhando viro uma pessoa muito melhor, fico muito mais feliz. Penso em atuar até os últimos dias, talvez em outro ritmo, mas não quero parar. O bem que me faz interpretar é algo que não sei mensurar”, explica.

Atuando em comerciais desde os oito anos de idade e na TV desde os 11, Deborah cresceu diante dos holofotes, mas foi orientada pela mãe, Sílvia Regina, a sempre manter os pés no chão e a ter responsabilidade profissional. “Resolvi trabalhar desde que comecei a me entender por gente, mas nunca fui uma estrela. Em casa sempre fui a menina que queria trabalhar e que tinha que se desdobrar para conseguir ser boa aluna, boa filha e tantas outras coisas. Tenho essa postura até hoje.”

Apesar da rotina de adulto, Deborah não pulava fases. Chorou pelos amores platônicos, vibrou com o primeiro beijo aos 15 anos e se comportou como qualquer outra pessoa da sua idade.

“As pessoas esperavam uma maturidade de mim, mas eu fiz questão de amadurecer no tempo certo. Me permiti ser adolescente e ser uma pessoa que ainda não tinha controle das próprias emoções. Mesmo sendo uma pessoa pública, não abri mão de viver tudo no meu tempo. Na adolescência, quando saía do trabalho, ia brincar de boneca com as minhas amigas, chorava no meu quarto pelos namoradinhos ouvindo música da Mara Maravilha… Tinha a vida de uma menina da minha idade”, relembra.

Na fase adulta, Deborah também se permitiu errar e dividir honestamente suas histórias com o público, como quando contou que antes de se relacionar com o seu marido nunca tinha sido fiel ou que já manteve um relacionamento com um homem casado por dez meses.

“Sempre tentei imaginar o que era viver sem cobrança e esse acompanhamento da sua vida. Mas fui aprendendo a lidar com isso. Ser vista e ser julgada não é tão fácil à primeira vista. Quando você é vista por muitos, é julgada por muitos. Isso pode não ser muito confortável, mas não tinha solução. Minha vida era aquilo. Não sou aquela pessoa que fala uma coisa e faz outra. Eu errei milhões de vezes e erro. Se eu pudesse ter a minha cabeça de hoje antes, ia ser ótimo, mas não tinha. Não me orgulho de tudo o que eu fiz e de tudo que conto, mas prefiro ser sincera do que ser hipócrita e mentirosa. Minha mãe às vezes reclama que eu falo muito. Ela diz que sofre com o que falam de mim. E eu respondo: ‘Você que me ensinou a ter coragem de ser quem eu sou e de não abaixar a cabeça para ninguém’. Existem pessoas que erram menos do que eu e pessoas que erram mais que eu, mas não existem pessoas que não erraram. Pelo menos eu tenho um grande mérito de ser honesta e de tentar aprender com os meus erros”, avalia.

“Hoje lido com isso de forma mais leve. Sou uma pessoa que vive muito em paz com a consciência. Não faço nada que me envergonhe ou que deveria esconder de alguém. Se a opinião das pessoas é diferente da minha, respeito. Mas tenho a consciência tranquila com as minhas escolhas. Já tive momentos em que não estava. Agora que eu estou e entendi que não podia ser essa pessoa de hoje naqueles momentos, me aceito. É um caminho”, conta ela, durante o ensaio no Four Seasons Hotel.

“Sou uma pessoa que vive muito em paz com a consciência”

A leveza, por sinal, é uma máxima na rotina de Deborah. Aos 40 anos, ela vive o agora e sem cobranças. “Costumo levar a vida com leveza. O mundo pode estar caindo a minha volta e eu continuo plena e em paz. Acho que o que tem solução, solucionado está. Fui conquistando essa leveza com o passar dos anos. Se eu tenho um problema que não tem solução, ao invés de chorar, sigo adiante. O que eu não posso fazer, delego. Confio muito nas pessoas que trabalham comigo. Acho que sempre fui essa pessoa com excesso de fé, essa pessoa que não sofre. Eu tenho muita certeza de que tudo vai ser para o meu bem, mesmo as coisas mais difíceis”, diz.

O que mais te atrai na Alexia?
Quando chegou o convite para a Alexia o que mais me fascinou foi a possibilidade de fazer comédia. Amo fazer comédia e estava muito tempo ser fazer isso. O segundo fascínio foi ela ser uma atriz de musical. Eu adoro quando tem um personagem que me desafie e que me ensine a fazer algo que eu não saiba, que me acrescente algo na vida. Voltei à fazer aula de canto e dança, que eu não fazia há muito tempo. A Claudia Raia é uma musa inspiradora por ser uma grande atriz dos musicais brasileiros. Ela também tem essa coisa meio exagerada e grandiosa que a Alexia tem. Muitos anos atrás, assisti a novela Rainha da Sucata, em que ela viva Adriana, uma bailarina meio desajeitada. Tento ir neste caminho.

Assim como você, Alexia é uma atriz. O que mais vocês têm em comum?
Meu marido diz que sou dramática. Eu não me considero, mas ele diz que sim. Talvez eu tenha esse ponto em comum com a Alexia. Acredito que as pessoas que nos veem de fora, nos veem melhor. A Alexia está sempre na luta contra a comida e contra os homens que passam por ela. Já tive, mas não tenho mais, a compulsão por homens bonitos que a Alexia também tem. Gostava de paquerar! Ainda tenho compulsão alimentar. Comer é algo que me acalma e me traz felicidade. Graças a Deus, o meu corpo reage bem ao tanto que eu como. Sou uma pessoa que come muito. Não consigo comer tão saudável quanto eu gostaria. Eu tenho a comida de recompensa até hoje. Se eu trabalho muito, quero chegar em casa e comer um prato de estrogonofe com batata frita. Agora tenho comido todo o dia isso. Doce, desde que a Maria nasceu, não consigo mais gostar. É uma bênção que ela me trouxe. Antes eu comia um panela de brigadeiro. Hoje acho enjoativo.

Foram compulsões que já te trouxeram complicações?
Nunca foram extremas, nada fora do padrão. Eu nunca tive relação muito compulsiva com o corpo porque sempre o coloquei à disposição do meu trabalho. Se ele tivesse que ficar mais bonito, ia ficar mais bonito, se tivesse que ficar mais cheinho, eu ia engordar… Como sempre tive essa facilidade de emagrecer, sou muito feliz com ele. Entendo totalmente o meu privilégio. Não faço dieta, estou tentando voltar a fazer ginástica. Estou há um cinco anos sem fazer nada. Não sei explicar. Acho que talvez seja genética.

Deborah Secco conta que fez plástica após nascimento da filha
Você disse que tinha compulsão por homens bonitos, mas teve relacionamentos longos e com homens de diferentes estilos, o mais velho, o mais religioso…
Nunca pensei em rótulos como ‘vou namorar um homem mais velho, um mais jovem, um músico ou uma pessoa mais religiosa’. Eu queria namorar pessoas que me atraíam e que eram interessantes para mim, independentemente do que elas eram. Eu acredito muito em gostar de almas e não das matérias. Mas sempre me relacionei com o intuito de formar uma família. Nunca escondi de ninguém que queria me casar, ter filho e formar a minha família.

“Sempre me relacionei com o intuito de formar uma família”

Antes da Maria, chegou a pensar em um plano B para engravidar? Como o congelamento de óvulo?
Não! Sempre tive um combinado com Deus que eu chamo de intuição. Eu sempre soube tudo que ia acontecer comigo, as coisas boas e ruins. Eu tinha para mim que existia um combinado com Deus de que eu iria engravidar aos 35 anos, de uma menina chamada Maria e sagitariana. Eu tinha certeza que isso ia acontecer e estava muito tranquila, mas quando chegou os 35, eu não estava em nenhum relacionamento e longe da possibilidade de formar uma família. Eu pensava: ‘Vou ter que encontrar alguém, gostar a ponto de querer ter um filho com ele…’. Essa questão do timing me deu uma certa tristeza, mas o universo é tão poderoso que um mês depois eu conheci o Hugo, dois meses depois eu estava grávida de uma Maria, que nasceu sagitariana.

Que sensitiva!
Não acho que eu seja sensitiva, sou intuitiva. Isso acontece em todas as coisas da minha vida. Eu não peço, eu sei. Tudo o que eu tinha na minha cabeça quando criança, ia se concretizando. Fui vendo que de fato eu já sabia de tudo. Acho que é uma conexão, intuição. Eu sabia que ia ser atriz e todo mundo ria da minha cara quando eu falava que com 25 anos o meu nome ia ser o primeiro da novela das 9. E aos 25 anos, fiz América como protagonista da novela das 9. Acho que o segredo é a força do pensamento, seja para o bom ou para o ruim. Tudo o que você pede para Deus acontece. Esses tempos pedi uma coisa que não era legal para mim, mas pedi da boca para fora. Aconteceu. Essa intuição me deixava meio que preparada para as coisas boas e ruins. Todas as coisas marcantes da minha vida eu já sabia que iam acontecer.

Você tenta passar essa conexão para a sua filha?
Fui criada no catolicismo, mas não tenho mais religião. Acredito em uma força que faz com que tudo aconteça. Essa força se apresenta para mim de uma forma muito clara. Eu acredito nesta força. Tem gente que não acredita. Vou deixar a Maria acreditar no que ela quiser. Tento deixá-la livre para ela saber se tem a conexão com algo ou com nada. Acho que isso é muito particular.

Estamos em uma época de muita intolerância. Existe uma preocupação em passar valores de autotestima e de respeito às diferenças dos outros?
Fico tentando fazer com que ela se ame o máximo que ela puder. Mas a Maria me ensina muito mais do que eu ensino a ela. Esses dias eu falei: ‘Maria, você é a mais linda do mundo’. Ela me respondeu: ‘Não, mamãe. Todas são lindas iguais’. No dia do aniversário dela também, eu disse: ‘Sua festa foi a melhor do mundo!’. E ela: ‘Todas as festas são iguais. As mamães dão a melhor festa que elas podem para os filhos’.

“A Maria me ensina muito mais do que eu a ensino”

Que sensata! Deu uma lição…
Ela dá lições para a gente diariamente. Ela veio pronta. O Hugo viajou com ela para Buenos Aires e roubaram a mochila dele com o tablet. Teve uma hora que ele sentou e começou a chorar. A Maria falou: ‘Papai, não chora. Você lembra aquele brinquedo que eu doei e não usava mais? É igual! Um outro papai, que está precisando mais de um Ipad, vai achar a sua mochila’. Ele parou de chorar na hora e falou ‘que idiota eu aqui chorando por um tablet’.

Como corrigir uma menina que tem a personalidade forte sem tirar esse empoderamento dela?
Tem que conversar, entender o motivo dela querer tal coisa, nunca falar ‘não’ pelo ‘não’, explicar porque a gente não deve aquilo. Esses dias ela estava dodói da barriga e queria comer chocolate. Eu falei: ‘Filha, não pode’. Ela reclamou e eu falei: ‘Você quer comer? Coma, mas você vai ficar com mais dor e sem brincar por mais dias’. Na mesma hora ela falou: ‘Então é melhor não, né? Melhor esperar’. Acho que não podemos menosprezar a inteligência dela. Eu não menosprezo! Mostro os caminhos e deixo ela fazer as escolhas. Talvez se ela disse que queria comer o chocolate mesmo assim, eu não tivesse deixado, mas faço de tudo para ela entender. E ela entende e respeita. Esses dias eu estava me arrumando e ela achou uma chupeta. Ela não chupa há muito tempo, mas perguntou se podia chupar novamente. Eu disse que não era legal porque ficava com dente de monstro. Saí do quarto e ela depois veio me procurar: ‘Mamãe, botar e colocar na boca eu posso?’. Achei engraçado porque ela poderia ter chupado, já que eu não estava mais lá, mas não fez. A minha relação com o Hugo é tão feita na sinceridade que para ela é muito fácil de entender a importância de ser sincero, de se confiar no próximo. O Hugo sabe tudo da minha vida, tudo o que eu fiz, que eu tenho, que eu sinto… Às vezes, ele sabe antes de mim.

Falando em honestidade, você costuma ser bem sincera em suas entrevistas e fala de assuntos que são tabus como ter se relacionado com um homem casado e traição…
Minha mãe sempre me falou: ‘Seja quem você quiser. Foda-se para o que os outros vão achar. Tenha apenas sua consciência tranquila, não faça mal a ninguém e segue de cabeça erguida que a gente não deve nada a ninguém’. Eu não devo mesmo nada a ninguém! Trabalho desde os meus oito anos. Tive meu amadurecimento exposto, o que é muito cruel, porque é uma fase que a gente não está preparado para ser exemplo. A gente quer ter exemplos. Até hoje não me sinto uma pessoa preparada para ser exemplo. As pessoas sempre falam que hoje em dia a gente precisa de causas. Eu apoio todas as causas, sou das minorias. Mas não tenho embasamento, estudo e nem lugar de fala suficiente para comprar essa luta pra mim. Meu lugar é ouvir, aprender e cada vez tentar ser melhor em um mundo tão injusto para as mulheres, gays, negros, pobres.

Recebeu uma repercussão negativa?
Não acompanho mais esse feedback de críticas. Foi a forma que encontrei de viver em paz. A maior crítica para mim é a minha, a pessoa que viveu isso, que sofreu. Nada do que alguém fale vai ser mais duro do que o que eu senti e sofri. Estou muito tranquila. Que bom que hoje consigo falar sobre isso e tentar ser uma pessoa diferente do que eu era e evoluir com isso.

Se arrepende dessas ações?
Eu falo que eu não me arrependo porque talvez se eu não tivesse feito aquilo eu não estaria no lugar que estou hoje. Mas são coisas que eu não faria hoje. Graças a Deus, enxergo de forma diferente.

“O Hugo foi o maior acerto da minha vida. Quando ele chegou, tudo mudou, fez sentido e foi para o seu lugar”

Você e o Hugo estão juntos há cinco anos. Qual o segredo desta relação?
O Hugo foi o maior acerto da minha vida, sem sombra nenhuma. O nosso encontro já era algo que ia nos transformar. Eu acredito em coisas escritas e que tinha uma pessoa guardada para mim e essa pessoa era ele. Quando ele chegou, tudo mudou, fez sentido e foi para o seu lugar. As coisas ficaram calmas. Minha vida mudou sem o menor esforço. Sei que ele sente a mesma coisa. Ele tinha uma vida muito diferente da dele e quando a gente se encontrou a gente rapidamente se encontrou. Talvez o nosso relacionamento dê muito certo porque a gente respeita muito o nosso indivíduo. Eu amo o Hugo, mas não o amo por ele ser meu marido. Amo o Hugo porque ele existe, seja do meu lado ou em qualquer lugar do mundo. Não o amo por ele ser o meu homem, mas por ele ser ele mesmo. Ele não é nada meu, ele é dele e amo isso. E ele ama que eu também seja de mim mesma. A gente é muito parecido em tudo.

Como fazem para manter o relacionamento a dois com uma criança pequena em casa, que acaba sendo o centro das atenções?
Tem que pesar tudo. A Maria sabe muito bem que papai e mamãe saem para namorar e de quão importante é nós sermos namorados para sermos felizes juntos. Ela entende essa necessidade de ficarmos juntos. A rotina da escola dela facilita muito também. Ela dorme às oito e meia da noite e a gente consegue ficar junto, ouvir música e namorar. Lá pelas três da manhã, quando a gente já está dormindo, ela vem para a nossa cama. O Hugo tenta fazer com que ela venha cada vez menos. Confesso que não tento tanto assim. Sou bem feliz quando ela vem e permissiva. Fico sempre achando que ela vai ter o tempo dela. As coisas sempre aconteceram no tempo dela como largar a chupeta, mamadeira… Já que com ela a gente tem essa facilidade, respeito mais o tempo dela.

Qual o peso do sexo hoje em um relacionamento?
O sexo é 100%, senão a gente vira irmão e amigo. Mudou a intensidade, quando a Maria nasceu, mas tento fazer com que se equilibre. Lógico que eu vou acabar sempre tendo menos tempo para o trabalho do que quando tinha Maria, vou ter menos tempo pro Hugo do que antes da Maria, mas a gente vai se equilibrando. O trabalho acaba daí a gente consegue viajar só os dois e ter mais momentos. É uma vida que a gente vai equilibrando. Nem toda época eu tenho todo o tempo do mundo para isso. Mas toda época tenho algum tempo só para isso porque é importante.

“O sexo é 100%, senão a gente vira irmão e amigo”

Vocês querem mais filhos? A Maria pede um irmão?
Ela começou a pedir agora um irmão, mas às vezes ela fala que não quer mais porque quer o papai e a mamãe só para ela. Ela está meio na dúvida ainda. Mas eu quero ter mais. Minha gravidez não foi incrível e por isso eu gostaria de ter uma gestação. Também quero adotar, mas gostaria de ter o segundo e adotar o terceiro. O Hugo quer adotar o segundo e não ter o terceiro. A gente está negociando. Nunca pensei em congelar, mas é algo a considerar. Eu me acho muito jovem, é um problema.

Créditos:
Reportagem: Marina Bonini
Edição: Ana Carolina Moura
Fotografia: André Nicolau
Assistente de fotografia: Rafael Monteiro
Beleza: Wilson Eliodorio
Assistente de beleza: Delio Fraga
Styling: Marcell Maia
Produção de moda: Carolina Albuquerque
Assistente de produção de moda: Henrique Maciel
Designer: Gabriel Pontes

Look blazer com cinto prata: blazer Glória Coelho, cinto Eduardo Caires e hot pants da Hope;
Look corset transparente: sutiã Renner, corest Madame Sher, calça Coven e brincos Eduardo Caires;
Look body com luva: body Haight, calça Another Place e pulseira Eduardo Caires;
Look vestido com alças: vestido Wolford, brincos usados como broche de Eduardo Caires e óculos de sol Moschino para Safilo Group;
Look da banheira: vestido Wolford, brincos usados como broche de Eduardo Caires e óculos de sol Moschino para Safilo Group, meias Wolford e sandálias Arezzo.

*Conteúdo “Revista Quem

 

Leia também



Top Móveis_Crato Janeiro 2020
Multiservice - Fauston
Banner Câmara do Crato -FEV.2020
Nilton e Célia

Enquete

VOCÊ ACHA QUE BOLSONARO ACERTOU AO BRIGAR COM SEU PARTIDO, O PSL?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2019 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados