Manifestantes vão às ruas em defesa da Operação Lava Jato

rovros_abr_26032017_1863

Da Agência Brasil*
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Manifestantes foram às ruas em várias cidades neste domingo (26) em apoio à Operação Lava Jato e contra a corrupção. Em muitas capitais, os manifestantes também protestaram contra a lista fechada, modelo de sistema eleitoral que está em discussão. De acordo com os organizadores, os movimentos Vem Pra Rua e Brasil Livre, foram programados atos em 130 cidades.

São Paulo

Os manifestantes reuniram-se na Avenida Paulista, região central da capital paulista, para protestar a favor da Operação Lava Jato, contra o financiamento público de campanha, o voto em lista fechada e o foro privilegiado. Vestidos e verde e amarelo, os participantes concentraram-se próximos a oito carros de som espalhados pela avenida. Uma faixa de 100 metros com os dizeres “fim do foro privilegiado” foi esticada na avenida.

O ato começou por volta das 14h e foi convocado por meio das redes sociais. Às 16h, os manifestantes se dividiram. A maior concentração ocorreu em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP), onde estava o carro do Vem pra Rua, um dos organizadores da manifestação. O ato foi pacífico e terminou por volta das 18h – horário em que a avenida é reaberta para circulação de veículos. A Polícia Militar e os organizadores não divulgaram números de participantes.

“A combinação dessas coisas resulta em impunidade e confirma privilégios para o futuro. É a perpetuação de poder para os políticos que estão ajudando a levar o Brasil para o pior caminho possível. Não são todos, mas é a maioria. Nós não somos contra a classe política. Nós precisamos deles para nossa democracia, mas precisamos de partidos e políticos que pensem no povo e não nos próprios interesses como é hoje”, disse o coordenador do Vem pra Rua, Rogério Chequer.

Para o coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri, outro grupo organizador do protesto, o financiamento público das campanhas políticas significa obrigar a todos a financiar em um momento de crise econômica. “Também não concordamos com a lista fechada porque ela diminui o poder de escolha do eleitor, que não escolherá o candidato, mas sim a legenda.”

O MBL levou uma pauta específica que trata da aprovação do Projeto de Lei 722, que suprime um dos artigos do Estatuto do Desarmamento, e uma emenda para a Reforma da Previdência, elaborada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que cria um novo sistema previdenciário para os nascidos a partir do ano 2000.

A dona de casa Sandra Salatini foi ao ato com o marido e a filha de 16 anos por não concordar com o atual cenário político. “Do jeito que está não dá. Não podemos mais ficar calados, temos que tomar um atitude, já que não podemos confiar em nenhum político. Eles só ficam legislando em causa própria para se precaver do que pode ser feito contra eles”.

O empresário Oscar Antônio Neto acredita que chegou a hora de “a população ir para as ruas e batalhar por um país melhor”.

Ocorreram também manifestações no interior do estado. A maior foi em Campinas, onde os organizadores estimam que 2,5 mil pessoas participaram do ato. Em Jundiaí, estima-se que mais de 1 mil pessoas tenham ido às ruas – a polícia não divulgou números.

Belo Horizonte

Na capital mineira, a manifestação ocorreu na Praça da Liberdade. A mobilização foi realizada pelos grupos Vem Pra Rua, Movimento Brasil Livre (MBL) e Patriotas, que lideraram os atos a favor do impeachment de Dilma Rousseff no ano passado.

Os manifestantes contaram com um palco e dois carros de som para fazer discursar. Os organizadores calcularam em 4 mil participantes. A Polícia Militar não fez estimativa de público.

Uma das bandeiras apresentadas no ato foi o fim do foro privilegiado. Segundo Silas Valadão, líder dos Patriotas, seria uma forma de impedir seletividade dos processos no Supremo Tribunal Federal (STF), retirando a prerrogativa dos deputados, senadores, ministros e presidente da República de serem julgados unicamente pela Corte.

Os manifestantes também protestaram contra a lista fechada nas eleições, a anistia ao caixa 2 e o aumento dos recursos do fundo partidário. Segundo a médica Kátia Pegos, líder do Vem Pra Rua em Minas Gerais, os parlamentares estão se movimentando para se blindar da Operação Lava Jato. “Eles querem manter o foro privilegiado e agora estão se articulando para aprovar o voto em lista, o que seria um grande retrocesso em um país que já saiu às ruas para pedir Diretas Já. Você vota no partido e o partido coloca os caciques de sempre, muitos dos que estão sendo investigados”. Os manifestantes não fizeram críticas ao presidente Michel Temer.

Sobre a reforma da Previdência, os grupos ainda não têm posição fechada. Para o Vem pra Rua, reformas são necessárias, mas não devem ser feitas sem participação popular. “Não dá para manter benefícios para os políticos, o Judiciário, os militares. A regra tem que valer para todos. E também achamos pesado 49 anos de contribuição para alcançar a aposentadoria integral. É o que posso te adiantar, mas ainda não temos uma posição fechada e estamos estudando”, diz Kátia Pegos.

Leia também



PATOM

Enquete