Paulo Guedes tem que procurar AI-5 no Google, diz Rodrigo Maia

BBXmOMN.img

 

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados Da esq. para dir.: Marcos Pereira (deputado federal), Rodrigo Maia (presidente da Câmara) e Márcio Chaer (Consultor Jurídico)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), demonstrou nesta 3ª feira (26.nov.2019) descontentamento com a declaração do ministro da Economia sobre as pessoas “não se assustarem” ao ouvirem alguém pedir novo AI-5 (Ato Institucional Número 5), que recrudesceu a ditadura militar em 1968.

Maia disse que o ministro deveria procurar informações no Google sobre o período. Guedes deu a declaração na esteira do filho do presidente da República Eduardo Bolsonaro. No mês passado, Eduardo disse que 1 “novo AI-5” seria uma opção caso a esquerda radicalize.

“Não dá para usar a palavra AI-5 como se fosse bom dia ou boa noite”, disse Maia. “O que manifestação de rua tem a ver com AI-5? Fechamento do Congresso? Das assembleias?.”

Também fez referência ao ex-presidente Lula. “O ex-presidente da República estimula manifestações e do outro lado querem se armar para enfrentar isso”.

Rodrigo Maia ainda mostrou apoio à fala do 1º vice presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP), que fez forte discurso contra declarações nesse sentido minutos antes. “Fiquei com 1 pouco de inveja”, disse Maia.

Ambos falaram na abertura do seminário “Política, Democracia e Justiça”, promovido por Pereira no auditório Nereu Ramos, na Câmara. O evento teve outros convidados, como o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Luis Felipe Salomão, e os jornalistas Fernando Rodrigues, diretor de redação do Poder360, e Márcio Chaer, do Conjur.

Assista ao discurso de Maia no evento (9min46s):

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de Privacidade)

Em seu discurso, Marcos Pereira afirmou que é hora de “acabar com a molecagem”. Segundo ele, é necessário “repudiar as manifestações autoritárias que vimos recentemente vindas de onde não deveriam vir”. Continuou Pereira: “Tem 1 texto bíblico que diz que uma única fonte não poder jorrar água doce e água salgada”.

Marcos Pereira fez referência, também, a declarações do deputado Eduardo Bolsonaro, feitas há cerca de 1 mês: “Eu pensava que esse assunto estava superado até ler o jornal de hoje [e ver a fala de Guedes]”.

“Temos problemas reais e muito graves para resolver em vez de ficar trocando ofensas em redes sociais e pela imprensa. É hora de separar os homens dos meninos.”, afirmou o deputado. Assista abaixo (7min59s):

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de Privacidade)

Poder360

Leia também



PATOM

Enquete