Planalto teme atos maiores após anúncios de reformas

Reformas da Previdência e Trabalhista podem gerar mais protestos /Foto Fornecida por New adVentures, Lda.

Notícias ao Minuto

O governo está preparando uma estratégia para tentar minimizar as manifestações após a apresentação das reformas, que deverá ser realizada no fim deste mês. Será lançada uma campanha publicitária para esclarecer a necessidade das mudanças propostas, explicando que o formato atual não é auto-sustentável e que as alterações são necessárias para que as próximas gerações continuem usufruindo dos benefícios da Previdência Social.

Segundo a Folha de S. Paulo, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) admitiu que foi um erro tentar minimizar as manifestações ocorridas no Sete de Setembro, durante o desfile em Brasília e a cerimônia de abertura da Paralimpíada do Rio.

Padilha disse que apenas um pequeno grupo dentre as 18 mil pessoas presentes no desfile em Brasília se manifestou. “Quando começou o barulho, vindo das arquibancadas, era de um grupo pequeno, mas temos de respeitar qualquer tipo de protesto”, afirma.

O governo quer evitar minimizar as manifestações contra o atual governo por acreditar que mais pessoas acabam sendo estimuladas a participarem dos atos. Porém, reforça que líderes de protestos com pautas de reinvidicações, como reforme agrária, devem ser ouvidos.

Leia também



Multiservice - Fauston
Top Móveis_Crato Janeiro 2020

Enquete

Qual sua avaliação das ações do governo do presidente Jair Bolsonaro?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2019 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados