Policia Federal combate exploração sexual infantil no cariri. Suspeito foi preso

FOTO: POLÍCIA FEDERAL DO CEARÁ/DIVULGAÇÃO
FOTO: POLÍCIA FEDERAL DO CEARÁ/DIVULGAÇÃO

Policiais federais cumpriram Mandado de Prisão Preventiva e dois Mandados de Busca e Apreensão expedidos pela 16ª Vara da Justiça Federal, em domicílios em Barbalha/CE e Juazeiro do Norte/CE

JUAZEIRO DO NORTE– A Polícia Federal deflagrou a Operação Escudo de Ouro 2, na manhã desta sexta-feira (03) com objetivo de interromper exploração sexual e estupro de vulneráveis (vítimas menores de 14 anos), além de crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente que consistem na produção, armazenamento no exterior e divulgação de imagens de pornografia infantil na rede mundial de computadores.

12 policiais federais cumpriram Mandado de Prisão Preventiva e dois Mandados de Busca e Apreensão expedidos pela 16ª Vara da Justiça Federal, em domicílios em Barbalha/CE e Juazeiro do Norte/CE, com a finalidade de interromper práticas criminosas, resgatando e protegendo as crianças vítimas dos abusos e instruir inquérito policial que apura indícios de atuação criminosa de um suspeito.

Assista ao vídeo:
As investigações tiveram início em maio de 2022 e, a partir dos dados coletados e analisados pela PF, foram levantados indícios de que o suspeito explorava sexualmente e estuprava crianças, bem como produzia e armazenava vídeos e fotos de pornografia infantil através da Internet. As imagens e vídeos foram armazenado em servidor de internet nos Estados Unidos, tendo havido cooperação internacional no combate ao crime. As investigações apontaram que o suspeito fazia registros dos estupros das vítimas. As providências necessárias ao atendimento psicossocial das vítimas identificadas e de seus familiares estão sendo adotadas. A operação conta com colaboração do Ministério Púbico do Estado do Ceará.

As investigações continuam com análise do material apreendido na operação policial, identificação de vítimas e participação de terceiros nos crimes. O investigado poderá responder, na medida de suas responsabilidades, pelos vários crimes de estupro de vulnerável, produção, armazenamento e divulgação de imagens com cenas de abuso sexual infantil na Internet e, se condenado, poderá cumprir penas superiores a 31 anos de reclusão.

 

Leia também



PATOM
WhatsApp Image 2022-07-28 at 08.57.10

Enquete