Prisões temporárias da 26ª fase da Lava Jato vencem neste sábado

Ao longo deste sábado, o juiz deve decidir se libera os presos, se prorroga as temporárias por mais cinco dias, ou se as transforma em preventiva

 

O prazo das prisões temporárias de nove investigados na 26ª fase da Operação Lava Jato vence neste sábado (26).

Os presos estão na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba e aguardam decisão do juiz Sérgio Moro sobre a continuidade, ou não, das prisões.

De acordo com o G1, a mais recente fase da Lava Jato investiga o “Setor de Operações Estruturadas” da Odebrecht. Segundo a polícia, se tratava de um departamento exclusivo para o gerenciamento e pagamento de valores ilícitos. A investigação teve como base a delação premiada de Maria Lúcia Tavares, ex-funcionária da empreiteira que atuava no setor.

Ao longo deste sábado, o juiz deve decidir se libera os presos, se prorroga as temporárias por mais cinco dias, ou se as transforma em preventiva – sem prazo para terminar. A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) devem dar pareceres sobre o assunto nos autos da investigação.

Estão presos temporariamente:

1) Antônio Claudio Albernaz Cordeiro – operador.

2) Antônio Pessoa de Souza Couto – subordinado a Paul Altit.

3) Isaias Ubiraci Chaves Santos – envolvido na confecção das planilhas e das requisições de pagamentos.

4) João Alberto Lovera – executivo da Odebrecht Realizações Imobiliárias.

5) Paul Elie Altit – chefe da Odebrecht Realizações Imobiliárias.

6) Roberto Prisco Paraíso Ramos – chefe da Odebrecht Óleo e Gás.

7) Rodrigo Costa Melo – subordinado a Paul Altit.

8) Sergio Luiz Neves – diretor superintendente da Odebrecht subordinado a Benedicto Barbosa Júnior é o chefe da Odebrecht Infraestrutura.

9) Alvaro José Galliez Novis – diretor da Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Responsável pela entrega do dinheiro no Rio de Janeiro e São Paulo.

A 26ª fase ainda teve expedidos quatro mandados de prisão preventiva. Apenas um deles, contra o executivo da Odebrecht Luiz Eduardo da Rocha Soares, não foi cumprido. Segundo a PF, ele está no exterior e é considerado foragido.

Além destes, o G1 divulgou a lista dos que estão presos preventivamente:

1) Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho – executivo da Odebrecht.

2) Olivio Rodrigues Júnior – sócio da empresa JR Graco Assessoria e Consultoria Financeira Ltda. O nome dele constava na agenda de Maria Lucia Tavares.

3) Marcelo Rodrigues – é irmão de Olívio ligado a off-shores Klienfeld Services, utilizada pela Odebrecht para pagar propina a agentes da Petrobras.

Com informações de Noticiasaominuto

Leia também



Multiservice - Fauston
Top Móveis_Crato Janeiro 2020

Enquete

Você acha que motoristas alcoolizados devem ser considerados criminosos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2019 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados