Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) atende cerca de 600 estudantes em Barbalha

Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) atende cerca de 600 estudantes em Barbalha (1)

DA AGÊNCIA CARIRICEARA
Redação – Fotos: Vc repórter/WhatsApp

Cerca seiscentas crianças das séries da 5º ao sétimo ano, alunos de cinco estabelecimentos de ensino de Barbalha estão inscritos no Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência – PROERD no município. O projeto é coordenado pelo Sargento Lacerda PM, lotado na 2ª Cia/2ºBPM e consiste em um esforço cooperativo estabelecido entre a Polícia Militar, a Escola e a Família.

Participam do PROERD Barbalha estudantes das escolas, Martiniano de Alencar, Maria Valquíria, Joaquim Duarte, Maria Alacoque e Alegria do saber. O objetivo é capacitar jovens estudantes de informações e habilidades necessárias para viver de maneira saudável, sem drogas e violência. Secundariamente se propõe:

a) Trabalhar sobre as causas do uso de drogas lícitas e ilícitas estabelecendo sobre os riscos decorrentes da dependência química e orientando as crianças, adolescentes, assim como seus pais ou responsáveis, acerca da busca de soluções e medidas eficazes quanto à resistência às drogas;

b) Fortalecer a autoestima das crianças e adolescentes a valorizarem a vida, mostrando opções saudáveis de comportamento, longe das drogas e da violência;

c) Sensibilizar as crianças e adolescentes para valores morais e éticos, possibilitando a visualização, bem como proporcionar a construção de uma sociedade mais justa, sadia e feliz;

d) Disponibilizar aos pais e/ou responsáveis ferramentas para que, quando questionados sobre os efeitos negativos das drogas, possam atender às expectativas, bem como mostrar a importância do fortalecimento da estrutura familiar;

e) Prevenir a criminalidade relacionada direta ou indiretamente ao uso de drogas;

f) Disponibilizar aos Policiais Militares técnicas pedagógicas adequadas para aplicação do programa para crianças, adolescentes e para pais e/ou responsáveis;

g) Ensinar e aprofundar os conhecimentos dos Policiais Militares quanto às drogas lícitas e ilícitas, questões legais sobre o tema e como proceder quando da constatação de alguma forma delituosa dentro e nos arredores do ambiente escolar;

h) Aproximar a Polícia Militar da comunidade escolar, e por consequência da comunidade em geral. Proporcionando um clima de parceria e confiança, gerando informações tornando possível um melhor atendimento aos anseios sociais, bem como mostrar a importância do papel social da corporação.

i) Desenvolver o programa, da Polícia Militar, de prevenção primária ao uso das drogas, alertando sobre os malefícios causados à saúde física e mental do usuário das referidas substâncias.
O sucesso desse programa de prevenção, de acordo com estudos já realizados, perpassa pelo direcionamento de conteúdos devidamente preparados para públicos específicos, numa aplicação continuada no ambiente escolar, utilizando aulas interativas focadas nos anos iniciais da infância até a fase adulta.

O Proerd possibilita à Escola complementar seu projeto pedagógico, segundo o que prescreve a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) em seu artigo 2º: A educação, dever da família e do estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

Considerando-se, ainda, que a filosofia do Programa prevê o direcionamento de ações a toda comunidade escolar e, de forma especial, aos pais e responsáveis promovendo uma reflexão sobre a importância da família como ambiente primeiro da prevenção, pode-se afirmar que o Proerd tem se tornado instrumento fundamental para a integração das famílias no processo educacional, no qual o diálogo torna-se proposta prioritária para a melhoria da qualidade de vida de nossas crianças.

São observados os seguintes benefícios no desenvolvimento do Proerd:

a) “Humanização” a ação policial militar, momento em que os jovens se referem aos Aplicadores da Lei de forma pessoal.

b) Permite aos estudantes enxergarem os policiais como servidores, não apenas como Aplicadores da Lei.

c) Estabelece uma linha de comunicação entre os Aplicadores da Lei e a Juventude.

d) Os policiais servem como vetores de informações qualificadas e de políticas públicas de prevenção ao consumo de drogas.

e) O Proerd abre um diálogo permanente entre a Escola, a Polícia e a Família, para discussão do fenômeno “drogas”.

A republicação é gratuita desde que citada a fonte.

Leia também



PATOM

Enquete