Relação entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia chega ao seu pior momento

Rodrigo Maia e Paulo Guedes em entrevista à imprensa no início de 2019. De lá para cá, a relação se deteriorou. Foto: Sérgio Lima/Poder360

Está realmente ruim a relação entre o ministro da Economia e o presidente da Câmara. O que 1 fala do outro em privado não é publicável.

É 1 pouco mais tranquilo o contato entre o Posto Ipiranga e o presidente interino do Senado, Antonio Anastasia (PSD-MG). Mineiro, Anastasia não quer guerra com ninguém.

Houve uma teleconferência recente entre Guedes, Maia e Alcolumbre. No meio da conversa, o presidente da Câmara disse que o clima estava “ficando ruim” –e saiu do papo.

Guedes argumenta que a PEC do pacto federativo já determina a criação do Conselho Fiscal da República, que pode, com mínimas alterações, servir para momentos de crise como a do coronavírus: autoriza demitir funcionários, congelar salários e ampliar orçamentos.

Maia é contra e deseja uma nova PEC para o que chama de “orçamento de guerra”(leia abaixo) que possa autorizar a criação de 1 “comitê de crise”.

Integrantes da cúpula do Congresso dizem que a beligerância continuará pela personalidade dos envolvidos. Acham que Guedes teria mais sucesso nos projetos se conversasse com deputados e senadores. Mas consideram isso improvável.

Em entrevista à rádio Bandeirantes, o presidente da Câmara disse: “Esperamos que nos próximos dias o governo já coloque os recursos nas mãos dos trabalhadores informais. Hoje, o presidente [Bolsonaro] prova que o que o ministro Guedes disse ontem não era 100% verdade”.

BUROCRACIA NA MIRA

É quase uma unanimidade dentro do governo (e fora também) o juízo negativo sobre estes 3 integrantes da estrutura do Ministério da Economia: Waldery Rodrigues (secretário especial de Fazenda), Esteves Colnago (assessor especial) e George Soares (secretário-adjunto na Secretaria de Orçamento Federal).

Waldery, Esteves e George têm uma característica em comum: só apresentam problemas e nunca sugerem uma solução fácil. No caso do coronavoucher, todos dizem que sem uma emenda constitucional Bolsonaro abre flanco até para sofrer impeachment.

O ministro da Economia disse ao Poder360 nesta 4ª feira cedo que vai acelerar o processo de concessão da renda básica emergencial (depois confirmou no final da manhã, em público. Mas fica em dúvida sobre as consequências: “Quero ver depois lá na frente, se eu for processado, se o Rodrigo Maia e o Gilmar Mendes virão me defender”.

Paulo Guedes identifica 3 pessoas que têm sido colaborativas com ele a respeito de como encontrar soluções legais para os obstáculos orçamentários: Sergio Moro (Justiça), Gilmar Mendes (STF) e José Levi (chefe da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional).

TELECONFERÊNCIA DO BRADESCO

Maia disse nesta manhã em teleconferência promovida pelo Bradesco que o governo governo não tem empecilhos para elevar os gastos para mitigar os efeitos da pandemia. “Dizer que não pode tomar decisão hoje é besteira”, afirmou.

Ele também disse esperar que a pandemia pode ser uma oportunidade para o governo “repactuar relações de respeito” com os demais Poderes. Aprovar a PEC da emergência fiscal, c como defende Guedes, é algo que levaria ao menos 2 meses na avaliação do presidente da Câmara. “A relação não está azeitada”, afirmou. Um caminho mais rápido, disse, seria a aprovação da PEC do orçamento de guerra.

Leia também



Multiservice - Fauston
Top Móveis_Crato Janeiro 2020

Enquete

Você acha que motoristas alcoolizados devem ser considerados criminosos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2019 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados