Servente de pedreiro acusado de matar adolescente em Juazeiro é preso pela polícia civil na cidade de Barbalha

Francisco Pedro Lima Silva, v. Ariel JN 06.09

DA AGÊNCIA CARIRICEARA
Jota Lopes – Foto: Caririceara

Nesta quinta-feira (06) às 11h40min, no bairro Bulandeira, em Barbalha após diligências, equipe de Inspetores do núcleo de homicídios e proteção à pessoa da 20ª Delegacia Regional de Juazeiro do Norte localizou e prendeu o servente de pedreiro, Francisco Pedro Lima Silva, vulgo “Ariel”, em cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido pelo Juiz Luís Sávio de Azevedo Bringel, respondendo pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Juazeiro do Norte, após representação protocolada pelo Titular do NHPP, Delegado Giovani Aquino.

ENTENDA O CASO:

No dia 24 de março de 2017, quando por volta da 00h00, aproximadamente, na Avenida Paulo Maia, na linha férrea do VLT (trem do Cariri), bairro do Santo Antonio, nesta, o indiciado Francisco Pedro Lima Silva, apelidado por Ariel segundo consta nos autos do inquérito policial, agrediu a golpes de arma branca (possivelmente canivete) o estudante Rodrigo Silva Costa, 17 anos, que era mais conhecido por “Alex”, o qual ainda chegou a ser socorrido com vida ao Hospital Regional do Cariri, vindo a óbito por volta das 23h00 da mesma data, em decorrência dos ferimentos sofridos.

As diligências iniciais, realizadas ainda na data do crime, por equipe PM, identificou o apontado “Ariel” como autor do delito, porém, este evadiu-se, tomando rumo ignorado.

Ao tomar conhecimento do caso o Delegado Giovani Aquino instaurou o competente inquérito policial e determinou à equipe de Inspetores do Núcleo de Homicídios que realizasse as necessárias diligências, visando entender a dinâmica e motivação para o crime. Nesse contexto, além de indícios de provas visuais, já que foram obtidas imagens em que se mostra parte da ocorrência, foi apurado que “Ariel” se encontrava na companhia de mais dois homens, em estabelecimento comercial próximo ao local do assassinato quando que em dado momento ali se achegou “Alex”, numa Honda/Biz, de cor vermelha, com uma moça como garupeira, ocasião em que acusado dirigiu a tal vítima, partindo logo para discussão e agressão física, em razão, segundo fora apurado, de cerca de quinze dias antes, a referida vítima haver praticado roubo a aparelho celular contra um parente de “Ariel”. Nos autos consta que quando estava sendo agredida a vítima o tempo todo dizia “Vou lhe pagar, vou lhe pagar!”, no que o agressor, com relevante fúria o chamava de ladrão. Um dos que se encontrava na companhia de “Ariel” ainda tentou impedir as agressões, porém, sem êxito, tendo em dado momento a vítima, corrido do local, vindo a ser perseguido pelo agressor, que passou a esfaqueá-la, em cima dos trilhos da linha férrea do chamado Metrô do Cariri, utilizando-se de um pequeno canivete, que já trazia consigo.

Posteriormente, “Ariel”, devidamente acompanhado de seu Advogado, apresentou-se perante o Delegado Giovani, no que interrogado confessou a prática delituosa, alegando que se utilizou de uma faca de mesa que havia no posto de combustíveis onde o início o delito ocorrera. Sobre a motivação para ao delito alegou que quinze dias antes, estava em um bar, situado na Avenida Leão Sampaio, quando fora agredido fisicamente com uma garrafa, na altura da cabeça, pela vítima e outros, alegando que posteriormente passou a sofrer ameaças de morte por parte dos seus agressores. Informa que na noite fatídica chegou ao estabelecimento próximo onde ocorreu o crime, acompanhado de dois amigos e quando a vítima ali chegou teria passado a lhe ameaçar, atirando, inclusive, um capacete contra a sua pessoa, no que teria se agarrado com a vítima e após encontrar a faca de mesa retro mencionada teria passado a desferir as facadas. Ariel, após ser ouvido, morando ainda em Juazeiro do Norte, mudou de endereço, que até a sua prisão, na data de hoje, era desconhecido. Essa versão caiu por terra após o aprofundamento das investigações, que demonstram ter de fato “Ariel” agido pro vingança, pelo fato de ter parente roubado por Alex.

Após os procedimentos da delegacia, “Ariel” foi encaminhado ao Núcleo de Ciências Forense para ser submetido a exame de corpo delito, em seguida encaminhado a cadeia pública de Juazeiro do Norte ficando a disposição da justiça.

©Todos direitos reservados a Caririceara.com. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível de ação judicial com base na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998 dos Direitos Autorais.

Leia também



PATOM

Enquete