Unidade de Conservação do Caldeirão e inserção em território do Geopark/Unesco propostas em Seminário realizado pela URCA

A criação de uma Unidade de Conservação Municipal e inserção do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto no território do Geopark Araripe, como Geossítio, foram debatidas durante o Seminário: Caldeirão da Santa Cruz do Deserto – Uma Construção Coletiva, realizado no último dia 10. O evento contou com autoridades políticas, representantes institucionais da Região e do Estado, técnicos, pesquisadores, estudantes e integrantes da comunidade.

Com propostas amplamente debatidas, apresentação de painéis durante o dia, os debates aconteceram na capela histórica do local, com a presença de mais de 60 pessoas. O evento contou com a realização da Universidade Regional do Cariri (URCA), por meio do Geopark Araripe, e teve apoio da Prefeitura do Crato e Governo do Estado.

Na finalidade de reunir a população das comunidades do entorno do Caldeirão, professores, pesquisadores, gestores, representantes de instituições públicas e privadas e de entidades sociais, o evento teve como objetivos a proposição de ideias acerca da inclusão do Caldeirão no Geopark, além de iniciar um plano de trabalho para criação da unidade de conservação no espaço.

Visibilidade

A abertura oficial do seminário foi realizada pelo Reitor URCA, José Patrício Pereira Melo. Ele destacou a importância das parcerias, nesse momento, com o poder público, no intuito de pensar o desenvolvimento e dar visibilidade a história do Caldeirão, transformando o lugar com o apoio das comunidades do entorno, num processo de sustentabilidade que melhore a qualidade de vida das pessoas e reflita sobre a proteção do meio ambiente. “Tudo isso associado a uma estratégia universal que é o reconhecimento da UNESCO através do Geopark Araripe”, disse o Reitor.

O seminário contou com a presença do secretário de Meio Ambiente do Estado, Artur Bruno, que destacou a importância das unidades de conservação, já que o Ceará, com 149 mil quilômetros quadrados de território, tem apenas um pequeno espaço de área preservada. “Não adianta apenas criar uma unidade de preservação, mas dar uma continuidade ao trabalho na área”, afirma.

São 23 unidades de conservação estadual e um corredor ecológico, mas apenas quatro municipais. Ele ressaltou a necessidade do plano de manejo para essas áreas. “Tem que ter gestor, um conselho, e equipe mínima”, acrescenta. Uma das vantagens que o secretário citou para se criar a área de conservação no Caldeirão, é por já ser um espaço público e não ter imóveis dentro da unidade.

Preservação

Conforme Artur Bruno, o local necessitará de alguns investimentos, para caracterizá-lo melhor como um local de aprendizagem, além de proporcionar mais atrativos para os visitantes e criar um sentimento de pertencimento, com a participação da comunidade e o apoio do poder público, dando condições de acesso, infraestrutura, trabalhando o tipo de unidade e forma de gestão. “Por fim, a nossa ideia é participar desse projeto, como parceiros, com os órgãos envolvidos”, diz ele. Para o secretário, trata-se de “uma bela história, uma bela cultura, em um lugar privilegiado para e com uma magia muito grande. Deve ser valorizado”.

O evento ainda contou com a presença do Secretário do Meio Ambiente de Crato, Brito Júnior, Secretário de Cultura, Wilton Dedê, do Coordenador do GeoPark Araripe, Nivaldo Soares, da Coordenadora Regional da Secretaria de Cultura no Cariri, Dane de Jade, além do Professor e Pesquisador da URCA, Domingos Sávio de Almeida.

Entre os temas debatidos nos painéis, o “Estado da Arte do Caldeirão da Santa Cruz”, com o Secretário de Cultura de Crato, José Wilson Soares (Dedê), Professor Domingo Sávio, a Coordenadora do Escritório Regional de Cultura, Dane de Jade, representando o Secretário Estadual de Cultura, o Padre Vileci Basílio Vidal, representante da Diocese do Crato, e da comunidade, Raimundo Batista de Lima.

Propostas

Além disso, foram apresentadas propostas de estudos para viabilizar a inscrição do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto como Geossítio e criação de Unidade de Conservação de acordo com a LEI 9.985/2000, do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), pelo Reitor José Patrício Pereira Melo, o Secretário do Meio Ambiente de Crato, Brito Júnior, o Promotor de Justiça de Crato, Thiago Marques Vieira e o vereador, Amadeu de Freitas.

O tema Geoturismo e Desenvolvimento Sustentável em áreas de preservação ambiental e agentes de financiamento, contou com os debatedores Artur Bruno e o vereador, Amadeu de Freitas. O secretário destacou a importância da criação da UC, além de um museu vivo, contanto a história do Beato José Lourenço. Para a área, segundo ele, seria importante trabalhar uma gestão participativa. “É muito interessante fazer com que se torne uma área de preservação, até em nível internacional, através da Unesco”, frisa. No encerramento, houve apresentação dos resultados do Seminário e aprovação do Plano de Trabalho, encaminhamentos e coleta de assinaturas

Universidade Regional do Cariri (URCA)

Núcleo de Comunicação

Telefones: (88) 3102-1213 – 9 – 8812.5525 ramal 2617

Twitter: @URCA_noticias

Facebook: facebook.com/urca30anos

www.urca.br – Crato, outubro de 2017.

Leia também



Multiservice - Fauston
Top Móveis_Crato Janeiro 2020

Enquete

Qual sua avaliação das ações do governo do presidente Jair Bolsonaro?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...
© Copyright 2019 — Caririceara.com. Todos os direitos reservados